Sintoma e Cura

Dr. Jean-Marc Benhaiem e François Roustang

Disse Moisés a Deus: […] Qual é o seu nome? Que lhes direi? Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU.

O SOFRIMENTO tem tendência a desaparecer na medida em que a pessoa aceita qual é sua REALIDADE.
Exemplo: “eu sou melancólico”; “eu sou deprimido” etc.
Isso não é um ato de contrição, mas uma afirmação do que eu sou.
O fato de descrever o que eu sou anula todos os esforços que eu possa fazer para lutar contra a realidade. O sofrimento provém de uma evitação da realidade.
Milton Erickson: “Não se deve excluir a dificuldade, é necessário mergulhar no problema no ‘cérebro não consciente’, para que o problema termine se dissolvendo.”
Exemplo – exercício:
Coloque o que te faz sofrer em uma pastilha efervescente em um copo d’água e perceba ela dissolver completamente…
É uma porta de entrada para injetar o sintoma para que ele seja absorvido na pessoa.
O confronto entre o terapeuta e o paciente desencadeia o processo que leva ao limiar (porta de saída) da cura.
Se você trabalha a remoção do sintoma você evita a doença, propiciando a cura.
Dr. Jean-Marc Benhaiem e François Roustang. L’Hypnose ou les Portes de la Guérison. Paris: Odile Jacob, 2012.
Tradução e adaptação de Regina Nohra e Yedda Reis.
Sede do IMHEP – Petrópolis, em 4 de março de 2014.

Leave a Reply